Buscar

Faça o teste e descubra como a conexão com os seus pais influencia a sua vida

Leia as afirmações abaixo e sinta qual é a sua resposta para cada uma delas:


1. Já sou adulto, mas vivo para agradar os meus pais e continuo fazendo tudo que eles querem. Não consigo dizer não para eles, afinal, são os meus pais;

2. Esforço-me para fazer pelos meus pais, pois eles sofreram muito na vida e eu tenho pena deles;

3. Rompi relações com o meu pai e/ou minha mãe, não quero saber sobre eles e rejeito tudo que vem deles, inclsuive o meu sistema familiar materno e/ou paterno;

4. Já sou adulto, mas culpo os meus pais por tudo que não não dá certo em minha vida;

5. Não aceito os meus pais como são e insisto para que mudem. Tenho esperanças de que um dia mudem a forma de ser e agir.

6. Já sou adulto, mas me esforço para contrariar os meus pais com o único objetivo de ser do contra;

7. Tenho vergonha e/ou julgo os meus pais;

8. Desprezo a vida que recebi dos meus pais e me coloco constantemente em situações de risco e vulnerabilidade;

9. Excluí meu pai e/ou minha mãe do meu coração e da minha vida e, quando me perguntam, eu digo que não tenho pai ou mãe;

10. A relação que tenho com os meus pais me sufoca;

11. Já sou adulto, mas ainda tenho expectativas que os meus pais ainda me deem o que eu julgo não ter recebido na infância;

12. Faço tudo que os meus pais pedem, mesmo quando não é o que eu quero ou posso naquele momento, em troca do reconhecimento e amor que recebo por agir desta maneira;


13. A frase que eu não escrevi aqui, mas que você está pensando e sentindo neste momento em relação aos seus pais.

Se você respondeu “sim” para pelo menos uma das frases acima, isso pode ser um sinal de que:


(i) a conexão com os seus pais não está em sintonia com os princípios sistêmicos que regem a vida e as relações humanas (pertencimento, ordem e equilíbrio);

(ii) que as dinâmicas entre vocês podem estar pouco saudáveis e construtivas;

(iii) que você ainda tem dores e feridas abertas para curar;

(iv) que você pode estar enfrentando dificuldades nos seus relacionamentos afetivos e em outras áreas da sua vida.

A forma pela qual você se relaciona com as outras pessoas revela como você se conecta aos seus pais.

Para ter êxito nos seus relacionamentos afetivos, olhe para a relação com os seus pais. Para tomar a vida em sua totalidade, tome seu pai e sua mãe e assuma a sua responsabilidade para curar a si próprio. Sem esquecer que o amor não é seletivo e tomar os pais implica em reconhecer a sua luz e sombra.


Há caminhos, mas você precisa fazê-los.

Curar as próprias dores, tomar consciência sobre as lealdades invisíveis que atuam no sistema familiar e, principalmente, saber escolher como se conectar de maneira saudável e construtiva com os pais através dos próprios recursos são, alguns, dos benefícios que as Constelações Sistêmicas possibilitam para quem constela.

Conta aí, algo mudou no seu relacionamento com os pais, com as outras pessoas e na sua relação com a vida depois que você constelou?

741 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo